SiG Portal
 
OHSAS 18000, ISO 14000, GESTÃO
Publicado em: 04/02/2015
Por: Edson Gutierrez
 
Objetivos, Metas e PROGRAMAS. Entendendo o item 4.3.3 da ISO 14001 e OHSAS 18001.
 

O item 4.3.3 das normas ISO 14001:04 (Gestão Ambiental) e OHSAS 18001:07 (Gestão de Saúde e Segurança no trabalho), estabelecem o seguinte:

 

"A organização deve estabelecer, implementar e manter objetivos e metas documentados nas funções e níveis relevantes da organização.

A organização deve estabelecer, implementar e manter programas para atingir seus objetivos e metas.

Os programas devem incluir:

  • Atribuição de responsabilidades para atingir os objetivos e metas em cada nível e função pertinente da organização e

  • Os meios e o prazo no qual estes devem ser atingidos"

 

Este item, aparentemente simples, gera muitas dificuldades nas organizações no momento da implantação de uma Sistema de Gestão baseado nestas duas normas, e consequentemente, no momento em demonstrar o atendimento a este item em uma auditoria. 

Enquanto falamos de objetivos e metas, tudo bem..., o conceito é bem entendido. Mas a principal dúvida é quando o auditor questiona: Quais são os PROGRAMAS que sustentam a busca a estes objetivos? E muitas vezes o auditado responde: Nós temos definidos indicadores...

 

O primeiro conceito importante, é que apesar deste item possuir semelhança com o item da ISO 9001:08 (item 5.4.1 - Objetivos da Qualidade), a sistemática de implementação é diferenciada, justamente porque a ISO 9001:08 não requer a implementação dos PROGRAMAS.

A ISO 9001:08 estabelece que a organização deve estabelecer objetivos da qualidade, e que os mesmos devem ser mensuráveis e coerentes com a Política da Qualidade.

 

Exemplo:

Objetivo: Obter a Satisfação de Clientes

Meta: Nota média da Pesquisa de Satisfação de clientes igual ou superior a 8

Resultado: 7

Conclusão: Objetivo não atendido, analisar causa e definir ações para redirecionamento dos resultados.

 

Ou ainda, exemplificado de uma outra forma no indicador de “Reclamações procedentes” na figura abaixo.

 

Já nas normas ISO 14001:04 e OHSAS 18001:07, o objetivo tem caráter de Melhoria, ou seja, buscar um resultado que a organização se propôs a alcançar de forma alinhada à sua Política de Gestão.

Exemplo

Indicador: Consumo de Água

Meta: 3m³/ton de peças produzidas

Resultado: 2,75m³/ ton de peças produzidas

Conclusão: Meta de desempenho do SGA atendida.

Objetivo: Reduzir o consumo de água

Meta: 2,5m³/ton de peças produzidas

Programa

Ação 1: Inspecionar rede de captação e distribuição de água e sanar eventuais vazamentos identificados - Responsável: Paulo (Manutenção) – Prazo: 20/02/2015.

Ação 2: Estruturar uma campanha de conscientização - Responsável: Ana (Comunicação) – Prazo: 30/02/2015.

Ação 3: Implantar projeto de captação de água de chuva – Responsável: João (Engenharia) – Prazo: 30/05/2015.

 

Ou ainda, exemplificado de uma outra forma no indicador de “Acidentes” como na figura abaixo. Observe que objetivo, sustentado por um PROGRAMA, é quando pretende-se reduzir a meta do valor 20 (já superada) para o valor 10.

 

Note, que há uma diferença entre Indicador e Objetivo, pois nas duas normas de referência, objetivo está atrelado ao item 4.3.3 (objetivos, metas e programas), e os indicadores ao item 4.5.1 (Monitoramento e medição).

Muitas vezes, como no exemplo acima, indicadores e objetivos trabalham de forma combinada, porém isto não é uma regra, pois um pode trabalhar de forma independente do outro.

Ex. 1 (Indicador sem objetivo): Após uma série de melhorias implementadas, a organização reduziu até onde seus recursos permitem o consumo de água, logo, este pode deixar de ser um objetivo, mas pode e deve permanecer como um indicador de desempenho (item 4.5.1 – Monitoramento e Medição), pois se começar a aumentar o consumo, pode ser um sinal de desperdício ou de vazamentos, que deve ser identificado e tratado.

Às vezes, me deparo em algumas auditorias com o representante do sistema “sofrendo” e justificando o fato de não conseguir reduzir ainda mais o consumo. Então respondo, ótimo!!! Este deixou de ser seu principal aspecto ambiental, vamos olhar para outros...

Ex. 2 (Objetivo sem indicador): A organização pode por exemplo, definir um objetivo de melhorar o layout da fábrica e escritórios com foco na prevenção de incidentes, para isso, pode definir ações como: a) formar um comitê, b) realizar um estudo, c) Elaborar projeto, d) Consultar profissionais e d) implementar as melhorias.

Concluindo as ações, e constatando as melhorias obtidas, o objetivo e o programa podem ser finalizados como atendido.

 

Mas afinal de contas, o que são os PROGRAMAS?

Programa, nada mais é do que um Plano de Ação, ou também chamado de Projeto, Plano de Trabalho, Cronograma, 5w2h, entre tantos outros...

Abaixo, coloco um modelo de Programa que costumo utilizar (e aprendi como meu professor e consultor Esteban Turockzy, atualmente levando a “triste” e merecida vida de aposentado na Itália, rs).

 

 

Alguns pontos sobre os PROGRAMAS:

  1. É importante que o Programa contemple as atividades e subatividades envolvendo todas as áreas e responsáveis. Quando planejamos uma melhoria, ela não aparece implementada “do nada”, há uma fase de planejamento, especificação, compra, treinamento, etc., e cada fase deve ser planejada, sob o risco de ficar parada em uma delas.

  2. Costumo brincar com alguns auditados que “as não conformidades são muito fáceis de identificar, porém as melhorias dão um trabalho....”. Isso porque as pessoas não registram as melhorias feitas.

    Este item, normalmente é auditado no início da auditoria, e as vezes, o auditado informa não haver programas ou melhorias, mas quando vamos para área, identificamos uma série de melhorias implementadas e que poderiam ter sido tratadas como “objetivos, metas e programas”.

  3. Como auditor, acho interessante quando vejo 3 tipos de programas na organização: Programas implementados, Programas em andamento e Programas planejados (a iniciar), isso mostra que a ferramenta está rodando.

  4. O objetivos e programas devem estar alinhados com os levantamentos de perigos e identificação de aspectos ambientais, que consequentemente devem estar alinhados com a Política. Ou seja, não adianta só ter objetivos e programas relacionados a “segurança comportamental” enquanto seu levantamento de perigos identifica uma situação de risco grave por falta de proteção em máquinas e equipamentos (NR 12), ou ainda objetivos atrelados a consumo de água no escritório, enquanto seus principais aspectos são geração de resíduos, emissão de fumaça, consumo de produtos químicos, etc.

  5. Você não precisa ter um documento específico e chamado de programa, isto pode estar definido em algum outro documento, desde que atenda estes conceitos. Em uma auditoria de certificação, o auditado me informou não ter Programas, mas somente os objetivos monitorados por indicadores. Depois de declarar uma não conformidade, fiquei surpreso ao tomar conhecimento de um “Plano de Investimentos” com previsão de melhorias para o ano, e com definição de ações, prazos e responsáveis... BINGO!!! Ali estavam seus PROGRAMAS....

  6. As metas devem estar baseadas em dados factíveis. Em uma ocasião, o auditado informou ter uma meta de reduzir em 20% o consumo de água. Fiquei surpreso com o valor e questionei sobre o consumo atual, o representante respondeu que não sabiam, pois estavam começando a coletar os dados; questionei então sobre o Programa, também não haviam implementado, só tinham o indicador...

Ora, como vamos reduzir 20% de um valor que não sabemos “quanto”, e nem sem planejar “como”?.

Mais vale uma meta mais “humilde” mas baseada em fatos, do que uma meta muito arrojada, mas sem embasamento.

 

Para concluir (com a certeza que não esgotei o assunto), até porque já me extendi demais...

É importante “rodar” o “PDCA” dentro deste requisito, ou seja, a definição do objetivo, da meta e do programa, estão no “P – To plan”, a implementação das ações é o “D – To do”, o indicador ou outras formas de monitoramento é “C – To check”, e as eventuais ações tomadas para redirecionamento dos resultados é o “A – To act”

 

E você, o que acha? Concorda? Discorda? Contribua com sua opinião!!! Isso fortalece nosso aprimoramento.

 

Ah..., se gostou do modelo de PROGRAMA indicado acima, insira seu email no comentário que nós lhe enviaremos.

 
 
Edson Gutierrez
[email protected]
Engenheiro Ambiental
Auditor Líder e Consultor em Sistemas de Gestão - ISO 9001, ISO 14001, OHSAS 18001 e SA 8000
Coordenador do SiG Portal